domingo, 23 de junho de 2013

InstaPost

Pá, aderi ao instagram e aquilo é "muita" giro. Mas há uns hashtags muito estranhos, tipo #alwaysbymyself e #neardeadexperience em que as fotografias não têm nada a ver com essa mesma legenda. Apercebi-me então que o instagram está a ser adotado como a verdadeira rede social de competição de popularidade. As legendas (hashtags) utilizados são cada vez menos normais, e tudo isto visa obter likes para saciar a fome de atenção, de reconhecimento, de "fama". Para quê? Ora, para se sentirem bem. E de alguma forma isso resulta.

Posto isto, vou postar uma fotografia do meu ainda vivo manjerico com hashtags como #love, #followme e o melhor, #ohmygodgreatpic.

sábado, 22 de junho de 2013

The Return of the Fur Ball

Estive a cuspir bolas de pêlo durante o último ano, lamento.

ESTOU DE VOLTA!!!

segunda-feira, 19 de março de 2012

sábado, 21 de janeiro de 2012

Galgarve is the Capital of ...?

Meu-Deus. Um gajo fica "sozinho em casa" no natal, qual Macaulay Culkin, e é logo reportada na meteorologia uma chuva de mensagens de personagens preocupadas, ansiosas por saber como estou, como é que a família me pôde "fazer algo assim", se tenho com quem passar as festividades.
ALÔ!!! Foi uma opção minha. A mãe, a irmã, e o padrasto, foram passar esta data bastante peculiar à santíssima terreola, com os meus quase antepassados avós, e eu DECIDI ficar. Se bem que, no fundo, eu sabia bem qual era o objetivo real das mensagens e chamadas...
"AH vais estar sozinho, ou seja, vais ter a casa vazia. Se quiseres companhia diz, podemos falar com o pessoal."
Desculpem, pessoal, mas raves na minha casa e ainda por cima nessa altura do ano, com os vizinhos nas suas casas apinhadas de familiares, não me parece boa ideia.
Prosseguindo.
O natal passou-se de uma forma bastante vulgar. A minha querida madrinha vive perto, por isso não foi difícil para mim rodear-me de caras familiares conhecidas, e o natal foi logo seguido de uma passagem de ano algarvia, com amigos que fizeram o que era suposto: beber. Admira-me ainda hoje de como é que não escorreguei em bílis vomitada, ou um pedaço carcomido de fígado arruinado. Anyway, já deve ter dado para perceber que fui a babysitter desta passagem de ano. PESSOAS: HOUVE AMIGOS QUE SE AGARRARAM A MIM, A CHORAR, E A PERGUNTAR COMO ERA POSSÍVEL TER SIDO INVENTADO ALGO TÃO INJUSTO COMO UM SISTEMA DE CONTAGEM DE TEMPO! Frases como "por que é que o ano tem 365 dias" e "não achas injusto limitarmos um dia a 24 horas?", ditas entre lágrimas, marcaram as primeiras horas do novo ano. Ninguém merece.
Tudo isto, apenas para chegar e, passadas semanas da dita festividade, a minha mãe decidir perguntar-me, após ver a conta da eletricidade, se tinha deixado as luzinhas de natal ligadas enquanto estive no Galgarve. That's right: GALGARVE.
Quando se perguntarem se sou doido, revisitem este post e obterão a resposta, como pessoas inteligentes (que gosto de imaginar) que são.
Feliz ano! .... E Feliz primeiro Fevereiro do ano!!! ....

*out*

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Goal!!

Opá os benfiquistas ganham mesmo sem querer LOL... Obrigado às pessoas que publicam este tipo de notícias pelo facebook!

My Dear Hedwig

As corujas são, de longe, a minha ave favorita, e como tal este vídeo deixou-me a babar. A música parece pertencer a uma qualquer expansão de Sims, já pra não falar da coruja branca que aparece aos 0:22 *_* e que me faz lembrar Harry Potter, e a pequenina que se delicia com as festinhas na cabeça é simplesmente amorosa. O vosso Gustaf nunca pede nada, mas o Natal está aí... ;)

sábado, 26 de novembro de 2011

I'm so poor i could keep my money in a tea bag

Oh meus amigos felinos!
Há quanto tempo não ronrono eu tão alto que me ouçam?
...
Ok, não fez muito sentido.
Anyway. Estou aqui porque tenho muitas saudades de vos fazer sorrir, nem que seja um pouco, com as minhas entradas idiotas e as minhas imagens clássicas, portanto considerem-me de volta.
Querem novidades? Eu dou-vos novidades... Ou não.
A crise afeta a todos, bem como o acordo ortográfico, como puderam notar no início desta frase. E, tal como ele, a crise veio para ficar. O pessoal tem menos guito, há quem fique sem o emprego (eu, eu!), e isso pode levar ao desespero: crimes variados, discussões, divórcios, etc. Qualquer dia temos aí uma guerra nacional a estalar e, acreditem amigos da lasanha, não vai ser nada épico como Call of Duty, nem 'cool' como GTA, porque Portugal não patrocina cenas fixes. Portugal está podre. Cheira a mijo nas ruas, as pessoas matam-se umas às outras, a loucura anda à solta. Não sei se veio nalgum pássaro da Grécia, ou se é uma febre que se passa pelos iogurtes gregos (se fizerem o Grego Lasanha vou à falência), mas o que é certo é que a crise está a alastrar. Quer dizer, roubam-nos o Euro 2004 e ainda nos pegam a crise. A sério?! Tínhamos o Sócrates a fingir que era licenciado, não precisávamos de uma gripezinha económica que não tarda se transforma numa pneumonia de carteiras. O ordenado mínimo poderia ser chamado de gorjeta máxima, há pessoas que fazem uma refeição por dia com filhos para cuidar e dois empregos para manter. Se isto é um país desenvolvido, por favor, que venham os marcianos e acabem com esta m*rda toda duma vez!

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Filosofia de vida

Um professor diante da sua turma de filosofia, sem dizer uma palavra, pegou num frasco grande e vazio de maionese e começou a enchê-lo com bolas de golfe. A seguir perguntou aos estudantes se o frasco estava cheio. Todos estiveram de acordo em dizer que "sim". O professor então pegou numa caixa de fósforos e vazou dentro do frasco de maionese. Os fósforos preencheram os espaços vazios entre as bolas de golfe. O professor voltou a perguntar aos alunos se o frasco estava cheio, e eles voltaram a responder que "sim". Logo, o professor pegou uma caixa de areia e vazou dentro do frasco. Obviamente que a areia encheu todos os espaços vazios e o professor questionou novamente se o frasco estava cheio. Os alunos responderam-lhe com um "sim" retumbante. O professor em seguida adicionou duas chávenas de café ao conteúdo do frasco e preencheu todos os espaços vazios entre a areia. Os estudantes riram-se nesta ocasião. Quando os risos terminaram, o professor comentou: - Quero que percebam que este frasco é a vida. As bolas de golfe são as coisas importantes - a família, os filhos, a saúde, a alegria, os amigos, as coisas que vos apaixonam. São coisa que mesmo que perdêssemos tudo o resto, a nossa vida ainda estaria cheia. Os fósforos são outras coisas importantes, como o trabalho, a casa, o carro, etc. A areia é tudo o resto, as pequenas coisas. Se primeiro colocamos a areia no frasco, não haverá espaço para os fósforos, nem para as bolas de golfe. O mesmo ocorre com a vida. Se gastamos todo o nosso tempo e energia nas coisas pequenas, nunca teremos lugar para as coisas que realmente são importantes. Presta atenção às coisas que realmente importam. Estabelece as tuas prioridades... e o resto é só areia." Um dos estudantes levantou a mão e perguntou: - Então e o que representa o café? O professor sorriu e disse: - Ainda bem que perguntas! Isso e só para lhes mostrar que, por mais ocupada que a vossa vida possa parecer, há sempre lugar para tomar um café com um amigo."